VOCÊ SABE QUEM FOI MONTEIRO LOBATO?

VOCÊ SABE QUEM FOI MONTEIRO LOBATO?

No dia 18 de abril de 1882 nascia em Taubaté, São Paulo, José Bento Monteiro Lobato.

Responsável por várias campanhas nacionais em defesa do petróleo, do ferro e da saúde, Monteiro Lobato revolucionou o mercado editorial numa época em que ainda não existia uma literatura voltada para o público infantil e juvenil ao criar sua própria editora e escrever livros voltados para todos os que não tinham acesso à literatura.

Lobato está até hoje nos corações dos brasileiros através das aventuras de uma turma bem alegre e arteira, que adora se meter em grandes aventuras e confusões: a turma do Sítio do Picapau Amarelo.

O desafio de formar novos leitores


Realmente é difícil admitir, mas a professora Raquel Lazzari, da UNESP tem razão ao comentar que ainda há escolas onde o uso da leitura é apoio para que o aluno aprenda determinada matéria ou conteúdo. Tudo bem, cada um tem seu método, mas a leitura não é um mero apoio. A leitura deve ser encarada como um ato natural, onde se adquire cultura, aprendizado, onde o leitor encontra prazer. A leitura deve ser encarada também como um deleite para qualquer leitor e não uma obrigação. E a formação do leitor começa em casa, com a família, observando quem é leitor. Mas quando isso não acontece, claro que a escola colabora para que essa formação aconteça, mas sem ser apenas uma obrigação. Incentivar a leitura e formar um leitor não é apenas fazer com que o aluno leia algo com a finalidade de aprender uma matéria, mas mostrar que ler é prazeroso.

Brasil enfrenta o desafio de formar novos leitores
Flávio Aquistapace - 10/05/12
 
No dia 23 de abril, o governo federal anunciou um investimento, via ministério da Cultura, de R$373 milhões na construção e revitalização de bibliotecas; contratação de agentes de leitura e na realização de feiras e festivais de literatura. Segundo a chefe da pasta, Ana de Hollanda, “a leitura não é um ato reflexo, aprendido naturalmente. É resultado de uma sofisticada operação, aprendida ao longo de anos e que, por isso mesmo, precisa ser cultivada cuidadosamente, para além dos muros da escola”.

Reconhecer na leitura um raciocínio crítico significa reputar ao leitor o papel de produtor de sentidos, capaz de romper com os aspectos superficiais do texto. É quando a atividade ganha outros significados, conferindo ao sujeito aquilo que os estudiosos chamam de “competência leitora”. A posição é defendida pela pesquisadora e doutoranda em História da Leitura, Rosária Boldarine. “A competência leitora não é uma qualidade inata. Requer um trabalho árduo que deve ser iniciado na escola”, adverte.


Pesquisa revela que 75% dos entrevistados jamais pisaram em uma biblioteca.
No momento em que o país passa por um desenvolvimento econômico inigualável, com queda nas taxas de mortalidade infantil e aumento dos índices de escolaridade na última década, segundo o Censo 2010 do IBGE – ainda que a passos lentos, e muito distante do alcançado por países ricos –, surge no horizonte o desafio de devolver à leitura o prestígio e a utilidade de outrora.

Pesquisa encomendada pelo Instituto Pró-livro e Ibope Inteligência, a terceira edição do mapeamento “Retratos da Leitura no Brasil”, mostra que ler está entre as atividades menos cotadas dos entrevistados. O total de pessoas que afirmam cultivar o hábito de ler em seu tempo livre caiu, entre 2007 e 2011, de 36% para 24%.

Outro dado levantado pelo estudo, um dos mais repercutidos, dá conta que 75% dos entrevistados jamais pisaram numa biblioteca.

Para atrair potenciais leitores, as novas bibliotecas a serem construídas pelo governo estarão situadas em locais que reúnem outras atividades além da leitura, como é o caso dos telecentros e praças. Acredita-se que a diversidade de usos possa gerar uma nova circulação de interesses, aproximando as pessoas dos livros.

Novos Leitores

A formação de novos leitores normalmente acontece pela convivência e pelo estímulo desempenhado por outros atores sociais, tais como a família, demais leitores e até professores. Segundo a pesquisadora Boldarine, “um leitor dificilmente se forma sozinho. Inúmeros estudos indicam a necessidade de um mediador no início da prática leitora”.

Incidem também nos costumes as transformações históricas recentes nos arranjos familiares tradicionais. “Com a entrada da mulher no mercado de trabalho, e as novas configurações para a família, as crianças dificilmente têm em casa um momento para que o incentivo à leitura ocorra”, avalia Boldarine.




Escola

Formar leitores no ambiente escolar, sujeito a todas as regras da convivência institucional, ainda é um desafio. “A leitura aparece como uma forma de controle do professor sobre o aluno”, argumenta a professora Raquel Lazzari, livre-docente em Didática pela Universidade Estadual de São Paulo (Unesp). “O aluno passa a atuar como tradutor da leitura do professor, e não como leitor”, diz.


Geralmente, é necessário um mediador no início da prática leitora.
“Muitas vezes o aluno internaliza o princípio segundo o qual sua leitura deve ser balizada pelas referências construídas pelo professor”, alerta Lazzari. Segundo ela, embora as práticas de leitura estejam vinculadas à escolaridade, é necessário debater como ampliá-las dentro e fora da sala de aula.

Para Lazzari, é importante criar uma condição favorável para avaliar as situações em que a leitura ocorre, tais como os critérios ao se decidir por esse ou aquele texto. “Muitas vezes ensina-se literatura para aprender Gramática, História ou para redigir melhor. Mesmo obras de reconhecido valor artístico perdem na escola seu poder de encantamento. Houve avanços, mas ainda há muito por fazer”, reforça a professora.

Lazzari aponta ainda que a leitura não está destinada apenas a apreensão de um conteúdo, ou a um estudo. Ela é, antes de tudo, uma prática cidadã. “Qualquer pessoa que não tenha acesso ao capital cultural de uma sociedade ‘letrada’ foi roubada em um direito básico de cidadania. Esse roubo retira a possibilidade de autonomia crítica e de trânsito pelas instituições legitimadas por essa sociedade”, finaliza.

Fonte: Portal Aprendiz

Nenhum comentário:

Postar um comentário